sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Teu nome


(...)

Perdeu-se na carne fria 
Perdeu-se na confusão de tanta noite e tanto dia
Perdeu-se na profusão das coisas acontecidas

Constelações de alfabeto 
Noites escritas a giz 
Pastilhas de aniversário 
Domingos de futebol 
Enterros, corsos, comícios 
Roleta, bilhar, baralho

Mudou de cara e cabelos Mudou de olhos e risos Mudou de casa 
e de tempo: mas está comigo
Está perdido comigo 
Teu nome 
Em alguma gaveta.


Ferreira Gullar. In: Poema Sujo

Nenhum comentário:

Postar um comentário