segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Deixei-me fugir de mim

Deixei-me fugir de mim por não haver fundo.
Por ser inútil, canto.
Por ser absurdo, creio.


Carlos Marzal


Nenhum comentário:

Postar um comentário