quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Chamo-te amor

Chamo-te
amor
como o destino
o sonho
a paz
chamo-te
com a voz
o corpo
a vida
com tudo o que tenho
e o que não tenho
com desespero
sede
pranto
como se fosses ar
e eu me afogasse
como se fosses luz
e eu morresse.


Idea Vilariño


Nenhum comentário:

Postar um comentário