sábado, 7 de agosto de 2010

O esplendor da linguagem

Num poema não devemos buscar sentido, pois o poema é ele próprio seu próprio sentido. Assim o sentido de uma rosa é essa própria rosa. Um poema é um justo acordo de palavras, um equilíbrio de sílabas, um peso denso, o esplendor da linguagem, um tecido compacto e sem falha que apenas fala de si próprio e, como um círculo, define o seu próprio espaço e nele nenhuma coisa mais pode habitar. O poema não significa, o poema cria.


Sophia de Mello Breyner Andresen. In: Os três reis do Oriente

Nenhum comentário:

Postar um comentário