segunda-feira, 24 de maio de 2010

Natural

.
(...)
.
Olho e comovo-me,
Comovo-me como a água corre quando o chão é inclinado,
E a minha poesia é natural como o levantar-se do vento...
.
.

Alberto Caeiro. In: O guardador de rebanhos - XIV
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário