domingo, 25 de abril de 2010

Última riqueza

O padre Muhando já falara contra esse preconceito. O pensamento do sacerdote ia direito no assunto: mulatos, não somos todos nós? Mas o povo, em Tizangara, não se queria reconhecer amulatado. Porque o ser negro – ter aquela raça – nos tinha sido passado como nossa única e última riqueza. E alguns de nós fabricavam sua identidade nesse ilusório espelho.
.
.
Mia Couto. In: O último voo do Flamingo.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário