terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Para que o rio não pare de correr

O rio corre de século em século, e as histórias dos homens se desenrolam na margem. Acontecem para ser esquecidas amanhã e para que o rio não pare de correr.
.
.
Milan Kundera. In: A Insustentável Leveza do Ser
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário