quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Uma mulher que dança

[...] Ela é uma mulher que dança, e que deixaria de ser mulher divinamente, se o salto que fez, pudesse obedecê-lo até as nuvens. Mas como não podemos ir ao infinito, nem no sonho nem na vigília, ela, de modo semelhante, reconverte-se sempre a si mesma; deixa de ser floco, pássaro, idéia; - de ser enfim tudo o que a flauta quis que ela fosse feito, pois a mesma Terra que a mandou a convoca, e entrega-a toda palpitante à sua natureza de mulher. [...] *

Paul Valéry. In: A alma e a dança


* Diálogo no qual Sócrates declara que para a alma só há dois remédios: a verdade e a mentira, e que eles se integram mutuamente. Para completar essa idéia, compara a vida a uma mulher que dança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário